Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

2ª edição do Café com o Presidente reúne profissionais do DEPAR

Carlos Nabil (1º à direita) fala para funcionários do DEPAR, ao lado de Luiz Ramos (3º da direita para esquerda) Pechtoll em conversa com Carlos Nabil   Na manhã desta segunda-feira (29/2), funcionários do Departamento de Armazenagem (DEPAR) e do Silo Jaguaré participaram do 2º Café com o Presidente. A iniciativa visa aproximar a nova diretoria e os servidores da CEAGESP. O presidente Carlos Nabil Ghobril compareceu acompanhado do diretor técnico-operacional Luiz Gonçalves Ramos e do secretário-executivo Diego de Melo Conti.   O gerente do DEPAR, José Lourenço Pechtoll, fez uma breve explicação das atividades do seu departamento. Ele ressaltou a necessidade de modernização dos armazéns situados no interior para atender as demandas locais. Falou ainda dos desafios atuais, como aumentar a receita e diminuir as despesas. Carlos Nabil (1º à esquerda) falou que visitou armazéns do interior “Tudo passa por investimentos necessários para adequar os nossos armazé

Saiba como se prevenir contra o Aedes aegypti, transmissor do zika vírus

O Aedes Aegypti é originário do continente africano, mais especificamente d a região do Egito. A dispersão pelo mundo começou a partir da costa leste do continente. De lá, o mosquito foi também para as Américas e Ásia. No Brasil, segundo pesquisadores, o vetor chegou ainda no período colonial. As fêmeas do Aedes a. sugam sangue para produzir ovos – caso ela estiver infectada, poderá transmitir os vírus da dengue, zika e chikungunya neste processo.  Os insetos em geral costumam picar apenas uma pessoa a cada lote de ovos produzidos, mas o Aedes aegypti é diferente: este mosquito pode sugar mais de uma pessoa para um mesmo lote de ovos, devido a uma característica chamada “discordância gonotrófica”. Quer saber mais sobre o Aedes Aegypti? O portal iG elaborou um quiz para testar seus conhecimentos e te ajudar a se prevenir contra os vírus transmitidos pelo mosquito. Clique aqui para fazer o teste !

Aprenda a preparar uma omelete vegetariana em 7 passos

Foto: Ciclo Vivo / Reprodução Para encerrar o mês de fevereiro, o Blog da CEAGESP separou uma receita especial para este domingo: omelete de cogumelos e espinafre. Preparado sem nenhum componente de origem animal, esta saborosa omelete pode ser servida como petisco ou acompanhando uma salada verde. Aproveite para experimentar também as receitas de nhoque caseiro , requeijão vegetariano , hambúrguer de couve-flor e quibede berinjela , publicadas anteriormente neste blog.   Ingredientes   3/4 xícara de tofu 1/4 xícara de grãos de bico cozidos inteiros 1 dente de alho grande Sal a gosto 1 pitada de açafrão 1 colher de sopa de azeite 2 colheres de sopa de água 2 colheres de sopa de polvilho doce Recheio   Vegetais a gosto   Preparo   1. Bata no liquidificador ou processador de alimentos todos os ingredientes, até formar uma massa bem homogênea 2. Experimente para provar o tempero 3. Despeje o conteúdo em um saco de confeitar ou saquinho plástico limpo e seco 4.

Você sabe qual a relação de um ano bissexto com a agricultura?

Se os romanos não tivessem inventado o ano bissexto, o controle da agricultura se tornaria muito difícil, pois as estações do ano não teriam datas definidas. Quem trabalha no campo tem que saber qual o melhor período para se plantar esta ou aquela cultura, e isso seria muito complicado se a primavera, por exemplo, caísse em datas diferentes a cada ano. O ano de 2016 é bissexto, ou seja, tem 366 dias. O dia a mais é acrescentado fevereiro, e é por isso que teremos 29 dias neste mês.   O ano bissexto sempre cai nos anos que terminam com múltiplos de quatro.  Inventado pelos romanos na época do imperador Júlio César, o ano bissexto foi criado para adequar o calendário ao tempo que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol.  Isso porque a volta da Terra ao redor do Sol não é feita em exatos 365 dias, mas sim em 365 dias, cinco horas, 48 minutos e 46 segundos.  Essa fração de dias, arredondada para seis horas, é compensada no ano bissexto, já que

Conheça mais sobre as plantas carnívoras

O nome sugere que comem carne, mas não é bem disso que elas gostam. As plantas carnívoras são exóticas desde sua aparência e costumam atrair olhares curiosos. Confira suas características e algumas espécies d es tas plantas famintas. A espécie é predominantemente de habitats quentes e úmidos, características típicas do Brasil, o que colocou o país em segundo lugar no ranking de lugares com mais espécies carnívoras. Aqui é possível encontrar cerca de 80 espécies distintas delas. Na banca de Marcos Ono, engenheiro agrônomo e vendedor de carnívoras que atua na Feira de Flores da CEAGESP no pavilhão Mercado Livre do Produtor (MLP), é possível ver algumas dessas plantinhas. Marcos explica que esta espécie se adaptou a viver em terrenos pobres em nutrientes, por isso elas desenvolveram a capacidade de comer pequenos insetos. “Elas são plantas de brejos, lugares que são encharcados de água com baixo ph ácido. Então elas se alimentam pela boca e não pela raiz, como as outras plantas

Grupo de combate ao Aedes realiza nova vistoria no ETSP

Francisco (SESMT): relatório das atividades Na manhã desta quinta-feira (25/2), cerca de 10 funcionários que se voluntariaram para fazer parte do grupo de combate ao mosquito Aedes aegypti na CEAGESP se reuniram no Auditório Nelson Loda, no Entreposto Terminal São Paulo (ETSP), para avaliar as ações que já foram realizadas até o momento e planejar as próximas etapas do trabalho.  Até o momento, várias iniciativas foram realizadas no Entreposto, como a distribuição de panfletos de alerta, limpeza de focos de acúmulo de água e identificação de possíveis criadouros de larvas do inseto transmissor da dengue, chikungunya e zika, seguindo instruções do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tanto na capital como nas unidades de entrepostagem e armazenamento do interior do Estado. A reunião foi aberta por Francisco Teixeira Barbosa, da Seção de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), que apresentou um relatório das ações prevent