Pular para o conteúdo principal

Conheça plantas ligadas a superstições de proteção e boa sorte



Arruda, dizem, traz boa sorte e proteção - Imagem: Reprodução/Flickr jpcorreacarvalho

Quantas vezes já ouvimos nossas avós dizendo que o mau olhado secou uma planta de casa? Ou cultivamos uma planta como amuleto de sorte? A pimenteira, por exemplo, é símbolo na cultura popular de proteção contra mau agouro.

Muitas superstições rondam diversas plantas no Brasil, há quem diga que já conseguiu até casamento por ter uma certa plantinha em casa. 

Se por um lado algumas pessoas escondem suas plantas de visitas agourentas, por outro, outras defendem que determinadas vegetações garantem proteção. É o caso da alfazema usada para perfumar roupas brancas dos recém-nascidos e livrá-los do quebranto.

A arruda é outra muito associada a defesa da casa e dos seus donos contra o azar e espíritos ruins. Além dela, a espada-de-são-jorge, o trevo-de-quatro-folhas e a comigo-ninguém-pode estão sempre ligadas a superstição de serem plantas protetoras e trazerem sorte. 

Moças interessadas em atrair um namorado ou marido costuma usar alecrim pelo seu perfume intenso. Outra lenda diz que espetar uma faca no tronco de uma bananeira a meia-noite na véspera de São João mostra a inicial do futuro pretendente pelo líquido que escorre da árvore no dia seguinte. 

Ninguém que perder a chance de atrair a boa sorte. Várias dessas e outros tipos de plantas podem ser encontradas na tradicional Feira de Flores no Entreposto da CEAGESP na capital:

3ª e 6ª feira das 0h às 9h30
(da 2ª feira para 3ª feira e de 5ª para 6ª feira – inclusive aos feriados)
Pavilhão Mercado Livre do Produtor (MLP) - Estacionamento pelos portões 4 e 7
2ª e 5ª feira das 2h às 14h* (inclusive aos feriados)
*os comerciantes costumam encerrar a comercialização antes das 10h
Praça da Batata - Estacionamento pelos portões 6 e 18 (veículos pequenos) e portão 7 (veículos grandes)

Endereço: Av. Dr. Gastão Vidigal, 1946 – Vila Leopoldina