Pular para o conteúdo principal

Índice CEAGESP fecha março em 3,73%


São Paulo, abril - Em março, o Índice de preços CEAGESP aumentou 3,73%, com elevação em todos os setores, exceto pelo de verduras. Condições climáticas adversas nas regiões produtoras, como excesso de chuvas e altas temperaturas, além de problemas sazonais em algumas culturas, voltaram a interferir negativamente na qualidade e volume ofertado, principalmente nos setores de legumes e diversos.

Produtos com grande representatividade destes setores como tomate, vagem, pimentão, batata, cebola, entre outros, apresentaram acentuadas majorações de preços e influenciaram na elevação do Índice CEAGESP no último mês. No ano, o indicador registra elevação de 5,69% e, nos últimos 12 meses, o aumento foi de 19,71%.

O setor de diversos registrou a maior elevação, de 18,06%. Principais altas: cebola (26,6%), amendoim (19,5%), batata comum (15,7%) e milho pipoca (15,5%). Não houve redução de preços no setor.

As seguir, os legumes registraram alta de 14,78%. Principais aumentos: vagem macarrão (46,5%), jiló (45,3%), pepino japonês (38%), pimentão verde (31,2%) e tomate (19,2%). Principais baixas: chuchu (-20,2%), abobrinha italiana (-11,5%), maxixe (-9,7%) e cará (-4,1%).

O setor de pescados apresentou alta de 1,36%. Principais aumentos: bagre (30%), pescada (26,65), anchovas (19,9%), abrotea (19,2%) e robalo (7,5%). Principais quedas: atum (-26,9%), pacu (-11,7%), tilápia (-9,3%) e cavalinha (-7,5%).

As frutas registraram elevação de 1,22%. Principais altas: goiaba vermelha (30,2%), abacaxi pérola (16,1%), uva benitaka (15,9%), caju (15,4%) e figo (10,4%). Principais baixas: maracujá azedo (-22,5%), jaca (-17,1%), pera estrangeira (-9,2%), e kiwi estrangeiro (-9,9%).

Já as verduras apresentaram retração de 4,69%. Principais elevações: brócolis (45,6%), couve-flor (38,4%), salsa (16,5%), e agrião (8,34%). Principais quedas: alface americana (-20%), alface crespa (-18,9%), escarola (-19,5%), coentro (-17,1%), almeirão (-16,8%), alface lisa (-16,8%), rabanete (-15%) e espinafre (-13%).

Tendência

Além das condições climáticas adversas que afetaram a oferta, o aumento da procura devido à Páscoa impulsionou a demanda. Assim, os preços mantiveram-se em alta durante praticamente toda a segunda quinzena de março. Em abril, com a diminuição das chuvas nas regiões produtoras, a expectativa é de que volumes ofertados e preços iniciem processo de retorno aos patamares habituais.

ÍNDICE CEAGESP MARÇO 2013

GERAL
3,73%
FRUTAS
1,22%
LEGUMES
14,78%
VERDURAS
-4,69%
DIVERSOS*
18,06%
PESCADOS
1,36%